sábado, 23 de maio de 2015

ARTE no RIO GRANDE do SUL - 01


SEMENTES das ARTES VISUAIS do RIO GRANDE do SUL
Ai, onde a planície ondula, a terra é mais fértil, abre com a concha da mão uma pequenina cova e esconde nela a semente de uma árvore. Eu quero nascer nesta árvore quero subir em seus galhos até o beijo da luz”. Iberê Camargo para Maria Cousirat Camargo

O Rio Grande do Sul foi, e continua sendo, generoso e fértil, nos mais variados empreendimentos humanos. Esta fecundidade continuada deve-se às sementes repassadas de geração em geração. No campo das Artes Visuais não foi diferente. A presente postagem busca evidenciar, destacar e considerar, num panorama amplo e aberto, os mediadores das  sementes das Artes Visuais do Rio Grande do Sul e que não estão mais entre nós.
Busca-se evidenciar o trânsito possível entre o mundo empírico das Artes Visuais,  em direção ao mundo das ideias, graças às sementes que migraram de geração em geração até chegar ao nosso Tempo. Este trânsito necessita do trabalho continuado de facilitadores e mediadores qualificados no âmbito dos limites geográficos do Rio Grande do Sul[1]. Na maioria destes agentes não se trata de uma atividade separada, reconhecida e remunerada como tal. Muito menos uma profissionalização no mundo do trabalho. Trata-se daqueles que de fato gostam de Arte e a reconhecem como elemento crucial do projeto civilizatório compensador da violência inata no ser humano natural.
Na presente postagem não existe a  intenção de constranger a leitura desta mediação no interior de um paradigma conceitual único. Paradigma usado como instrumento para categorizar ou julgar por meio de cânones acadêmicos homogeneizadores o mundo empírico das Artes Visuais na direção ao mundo das ideias.  Mesmo a separação e distinção do Rio Grande do Sul do Brasil não encontra guarida nas ideias, práticas, estética e nas obras destes medidores. Ao contrário a sua esmagadora maioria trabalha mais na vinculação e para evidenciar um pacto estético, social e econômico com o Brasil como um todo.
Aceita-se que a obra de arte se completa na sua recepção. Evidente há necessidade de considerar as competências e os limites, tanto dos produtores artistas tão bem como os mediadores, mas especialmente dos receptores de suas mensagens e obras de artes visuais.
A recepção, no universo das Artes Visuais, possui uma natureza específica e características próprias. Devido à sua materialidade física a obra das Artes Visuais ou plásticas não necessita forçosamente a sincronia no tempo do seu produtor e do tempo seu receptor.  Este receptor pode receber esta obra séculos após a sua criação. Esta criação pode peregrinar através de espaço e tempos indeterminados para entregar a sua mensagem. Mensagem que contida numa obra física que torna-se documento de sua época, tempo mas especialmente do seu criador. A Arte sempre converge e aponta para o ENTE do seu criador e revela o modo de do SER artista. Isto porque “a Arte esta em QUEM produz e não QUE produz” na concepção de Aristóteles.
A partir deste ponto percorre-se alguns nomes que o autor considera significativos na colheita e distribuição de  sementes das Artes Visuais do Rio Grande do Sul e que não estão mais entre nós.



[1] - As oportunidades de  preparação Artes Visuais, ao nível superior,  no  Rio Grande do Sul, no ano de 2004, pode ser conferido em INSTITUIÇÔES SUPERIORES de ARTES VISUAIS no RIO GRANDE do SUL
ARAÚJO PORTO-ALEGRE, Manuel (1809-1879) Barão de Santo Ângelo
Fig. 01 – Manuel ARAÚJO PORTO-ALEGRE nasceu em Rio Pardo ainda  no regime Colonial Brasileiro. Foi discípula da Missão Artística Francesa e primeiro diretor brasileiro da Imperial Academia de Belas Artes. Entendeu a Arte como integrante do Projeto Civilizatório Compensador da Violência do Estado. Com esta compreensão erudita e ampla agiu e produziu mediações num leque imenso deste projeto que repassou para o seu publico, setores governamentais e, de forma especial, para seus discípulos. 
AYALA,.Walmir (1933-1991)
Fig. 02 – – Walmir AYALA, originário de Porto Alegre, radicou-se no Rio de Janeiro onde foi colaborador ativo de jornais, revistas e galerias de Arte Este conhecimento o levou a concluir a Enciclopédia de Carlos Cavalcante e colaborar ativamente no dicionário de Artistas Plásticos Brasileiros como aquele de Roberto Pontual. Nestas suas múltiplas funções os artistas visuais do Rio Grande do Sul ou originários deste estado sempre mereceram a sua melhor atenção como é possível verificar em:
 AYALA Walmir A criação Plástica em Questão Rio de Janeiro: VOZES, 1970 283 p
Crhistina BALBÃO  em foto de Jorge de Castro em 1949
BALBÃO Christina Hellfensteller (1917-2007)
Fig. 03 – –Discípula de Libindo Ferrás e de Francis Pelichek na antiga Escola de Artes do IBA onde se diplomou em Pintura e depois no Curso de Artes Plásticas onde foi uma das primeiras discípulas de Fernando Corona na sua diplomação em Escultura. Com a vinda, ao Estado, de Ado Malagoli foi um sólido apoio nos primórdios do Museu da ARTE do RS. Acompanhou ativamente esta instituição, como monitora e motivadora das visitas do grande público, até os seus últimos dias da sua vida. 
BARROS, Fábio de (1881-1952) “Vitoriano S erra”.
Fig. 04 – – Fábio de BARROS foi um dos médicos ( entres eles Olinto de Oliveira, Diogo Ferrás, Sarmento Leite e Mário Totta) fundamentais no apoio e legitimação e implantação institucional das Artes Visuais no Rio Grande do Sul.  Fabio foi cronista e crítico exigente nos diversos periódicos impressos em Porto Alegre onde atuava sob o pseudônimo da “Vitoriano Serra”. Consta como primeiro professor de História da Arte da Escola de Artes do IBA-RS  Como psiquiatra compreendia a Arte como preciosa auxiliar. Parece que o m´dico conserva e cura o corpo para que a criatura humana possa se entregar à criatividade do trabalho e da Arte. Por sua veza estes médicos sempre tiveram a colaboração dos artistas visuais  para desenhar a anatomia e os registros gráficos para as suas teses publicações  e comunicações cientificas
BRILHANTE,  Francisco (1901- 1987)
Fig. 05 – –Francisco Brilhante tinha formação superior de Artes Visuais da Escola de Artes da do IBA-RS. Levou esta formação diretamente ao povo transformando a calçada em sala de aula aberta e continuada.  Além da pintura era também fotógrafo erreno fértil na qual podiam associar a sua erudição com obras físicas de alta qualidade A erudição teve  a partir de 1938  
CAMARGO, Iberê (1914 - 1994)
Fig. 06 – Este artista foi mitificado no seu nome pelo marketing, propaganda e mercado de arte no extremo oposto pela naturalização. Tanto o MITO como a NATUREZA possui a sina da obsolescência programada da era industrial. Porém há necessidade de considerar a pessoa humana de Iberê Camargo muito maio do que o MITO e a NATUREZA. Como tal compreendeu também a Arte como peça crucial de um autêntico Projeto Civilizatório Compensador da Violência do Estado.  A erudição deste artista resgatou o papel de luminar e com destaque e determinante dos valores superiores de uma nação Como Aldo Locatelli ele também podia afirmar “vivemos no princípio da formação da nossa civilização e devemos tentar expressá-la nos nossos próprios valores[1]
CAMARGO, Maria Cousirat  (1916-2014)
Fig. 07 – – Maria Cousirat  CAMARGO e iberê conheceram-se no Instituto de Belsas Arte onde ela conclui o Curso Superior de Pintura enquanto ele cursou e concluiu  o Curso Técnico de Arquitetura tendo aulas praticamente com os mesmos professores. Na hora da profissionalização ela optou por ser o apoio decisivo na carreira de Iberê. Graças a esta decisão e divisão de tarefas as gerações seguintes e a cultuar sul-rio-grandense possuem na fonte os documentos e os registros precioso e das obras de arte decisivas para as Artes Visuais brasileiras
Poema  de Iberê para Maria
Quando eu estiver deitado na planície, indiferente às cores e as formas, tu deves te lembrar de mim. Ai, onde a planície ondula, a terra é mais fértil, abre com a concha da mão uma pequenina cova e esconde nela a semente de uma árvore. Eu quero nascer nesta árvore quero subir em seu galhos até o beijo da luz. Depois, nos dias arrasados, tu virás procurara a sua sombra, que será fresca para ti, então no murmúrio das folhas eu te direi o que meu pobre coração de homem não soube dizer”.

CORONA, Fernando (1895- 1979)
Turma de Escultura do Prof Corona - pintura de Alice Soares No quadro constam 1:Leda Flores – 2: Fernando Corona – 3: Chistina Balbão – 4: Dorothea Vergara – 5: Teresa Gruber  6 Alice Soares-
Fig. 08 – Fernando Corona escreveu “Deixei de ser escultor para formar escultores”  Estes escultores encontraram um terreno fértil na qual podiam associar a sua erudição com obras físicas de alta qualidade A erudição teve  a partir de 1938 um Curso Superior no IBA-RS orientado por Fernando Corona[1].
DAMASCENO FERREIRA Athos (1902-1975)
Fig. 09 – – Athos DAMASCENO FERREIRA teve um papel fundamental na pesquisa e no registro fértil de informações relativa as Artes Visaus praticadas ao longo do  século XIX no Rio Grande do Sul a qual podiam associar a sua erudição com obras físicas de alta qualidade A erudição teve  a partir de 1938
DAMASCENO. Athos (1902-1975) Artes plásticas no Rio Grande do Sul (1755-1900). Porto Alegre : Globo, 1971, 520 p
FAYETH , Carlos Maximiliano (1930-2007)
Fig. 10 – – Carlos Maximiliano FAYETH tinha a dupla formação de artista plástico e de arquiteto. Porém a sua obra projetada e construída, aoestilo das obars arquitetônicas que servem à Refinaria Alberto Pasqualini e o Palácio da Justiça em Porto Alegre projetado e executado em pareceria com Luís Fernando Corona, são obras que expõe aos novos arquitetos as competências e os limites que esta Arte encontra na cultura do Rio Grande do Sul.
FAYET, Carlos Maximiliano. O ensino de arquitetura nas escolas de artes. Porto Alegre : Meridional :
       EMMA, 1965, 35 p.
Uma JUSTIÇA com OS OLHOS ABERTOS e VIGILANTES:
PORÉM, MESMO ENXERGANDO, a REALIDADE NÃO LHE OBEDECE.
FRANCESCO José de (1895-1967) busto da autoria de Fernando Corona
Fig. 11 – – José de FRANCESCO foi estudante noturno da Escola de Artes do IBA-RS. A sua obra de mediação deu-se através do cinema. Distribuidor de filmes para o estado, editou duas revistas especializadas para o entendimento e a divulgação destes filmes. Para tanto criou uma tipografia própria. Ao mesmo tempo tornou-se cartazista de divulgação dos títulos cinematográficos. Mantinha, além disto, uma produção e periódicas exposições de pinturas. No final de existência editou um livro autobiográfico no qual traça um pequeno perfil de personagens que ele conheceu ao longo de sua existência

FRANCESCO, José de. Reminiscências de um artista. Porto Alegre; s/editora. 1961.
GUIDO Ângelo (1893-1969)
Fig. 12 – – Ângelo GUIDO teve formação na Escola de Artes e Ofícios de São Paulo. Jornalista em Santos e após contatos co o s integrantes de Semana de Arte Moderna fixou residência em Porto Alegre onde trabalho na imprensa como crítico e cronista de Artes Visuais. Participou do Salão de 1929 da Escola de Artes do IBA-RS[1] e liderou a exposição de Artes Plásticas do Centenário Farroupilha em 1935. A partir de 1936 assumiu a cátedra de História da Arte do Curso de Artes Plásticas do IBA-RS sendo diretor desta instituição entre 1958 a 1962[2]. As suas concepções escritas foram reunidas e estudadas por:
SILVA, Úrsula Rosa da - A fundamentação estética da crítica de arte em Ângelo Guido: a critica de arte sob o enfoque de uma história das ideias. Porto Alegre : PUCRS: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Tese 2002



[2]   ANGELO GUIDO: e a sua ESCOLHA para VIVER a ARTE no RIO GRANDE do SUL http://profciriosimon.blogspot.com.br/2014/11/099-isto-e-arte.html
.

LAYTANO Dante de (1908-2000)
Fig. 13 – – A atenção do jurista Dante de LAYTANO esteve voltada constantemente para as origens, seu possível estudo e projeção no mundo erudito dos valores e preocupações da Arte e da Cultura proveniente do Poder Originário Sul-rio-grandense e brasileiro. Buscou apoio e subsídios da UNESCO para estudar e reinterpretar o legado açoriano e afro brasileiro Uma amostra destas preocupações pode ser encontrada em:
 LAYTANO Dante de (1908-2000). - Festa de Nossa Senhora dos Navegantes Estudo de uma tradição das populações  Afro-Brasileiras de Porto Alegre. Porto Alegre: UNESCO- Instituto Brasileiro Ciência e Cultura- Comissão Estadual de Folclore do Rio Grande do Sul - 6º Vol.  1955, 128 p. il
MACEDO Francisco Riopardense (1921-2007) NIEMEYER Oscar (1907-2012)
Fig. 14 – –Francisco Rio-pardense de MACEDO ( no centro) na qualidade de orador da fala com Oscar Niemeyer paraninfo da Turma de Urbanistas terreno fértil na qual podiam associar a sua erudição com obras físicas de alta qualidade A erudição teve  a partir de 1938

Oscar NIEMEYER em Porto Alegre em 13 de abril de 1949

1-    As ARTES e a ARQUITETURA no IBA-RS

2 -  O II CONGRESSO de ARQUITETURA em PORTO ALEGRE

3 – Oscar NIEMEYER e a FORMATURA do 1º CURSO  SUPERIOR de URBANISMO no BRASIL

4 – LIÇÔES de OSCAR NIEMEYER aos JOVENS ARQUITETOS
 As contribuições pessoais de Francisco Rio-pardense de Macedo para as medições da Arte  pode serem encontradas em:
MACEDO., Francisco Rio-pardense de. (   ) A Arquitetura no Rio Grande do Sul . in  RIOGRANDE do SUL: Terra e Povo. Porto Alegre : Globo 1964
---------------Porto Alegre: história e vida da cidade. Porto Alegre : UFRGS, 241p.
________. Porto Alegre: aspectos culturais. Porto Alegre : SMED/Div. De  Cultura, 1982, 122 p.

MALAGOLI, Ado  (1908 -1994)
Fig. 15 – – O paulista de Araraquara Ado MALAGOLI (de branco) , após sólida formação na Escola Nacional de Belas Artes e um estágio nos Estados Unidos, trouxe a sua contribuição decisiva ao estado. No IBAS-RS consolidou a cadeira de Pintura e pode se dedicar ao projeto da vinda ao Rio Grande do Sul, que era a criação de um Museu de Arte digno deste nome. O seu ensamento pode ser lido..
MALAGOLI, Ado (1908-1994) - TÉCNICA E EXPRESSÃO - considerações- Tese de concurso para o  provimento da cadeira de Pintura do Instituto de Belas Artes do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: edição da autor, 1957 88 p, ilustr. pb.
MANCUSO, Carlos Antônio (1930 – 2010)[1]
Fig. 16 – – O arquiteto e artista plástico Carlos Antônio MANCUSO foi um mediador adequado, coerente e conhecer das competências e dos estreitos limites que uma cultura entrópica impõe para estas funções. Assistente de Ângelo Guido na cátedra de História da Arte e Estética continuou esta obra do mestre no Instituto de Artes  e na faculdade de Arquitetura da UFRGS 
MANCUSO, Carlos Antônio ARTE e CULTURA Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Tese de Cátedra 1965 51 p.
Aldo OBINO  e Francisco RIOPARDENSE de Macedo reunidos num evento da Associação Chico Lisboa de 2002
OBINO Aldo (1913-2007)
Fig. 17 – – O filósofo, professor e jornalista  Aldo OBINO foi um cronista fiel  e atento ás manifestações de Artes Visuais que ocorreram na metade do século XX do Rio Grande do Sul. Cronista com um registro objetivo nas sua tradicionais “NOTAS de ARTE” confiava a um potencial  público e o  convidava para conferir e avaliar com os seus próprios critérios e gostos a obra colocada no espaço publico. A jornalista Cida Golin reuniu e editou em livro:

OBINO, Aldo. Notas de arte. Org, Cida Golin.  Porto Alegre : MARGS/Caxias do Sul : Nova Prova EDUCS,   2002, 152 p.
OLINTO DE OLIVEIRA, Olimpio (1866 - 1956)
Fig. 18 – O médico doutor em Pediatria Olimpio OLINTO DE OLIVEIRA conduziu a sua formação - como a suas práticas sociais - para o campo das energias das CIÊNCIAS como a ARTE nas quais estabeleceu vínculos fecundos  entre o ENTE e o seu SER. Médico, músico jornalista e politico do mais alto padrão foi dieror da faculdade de Medicina de Porto Alegre, Fundador do Instituto de Artes do Rio Grande do Sul e do Correio do Povo onde foi seu primeiro cronista de arte sob o pseudônimo de Mauricio BOEHM. Fundou o Clube Haydn e criou a Academia Sul-rio-grandense de Letras[1] Ao mudar-se ao Rio de Janeiro colaborou ativamente com a ABE na elaboração doa paradigma da Universidade Brasileira criada em 1931 Foi diretor presidente da SUAUDE-MATERNO INFANTO JUVENIL entre 1931 até 1945 no Ministério da Educação e Saúde Pública (MESP)
Entre as crônicas de Olinto de Oliveira, recuperadas pela pesquisadora Cláudia Maria Rodrigues, relativas as Artes Plásticas, podem ser citados ‘Romualdo Prati’(Correio do Povo - ano 1 – dia 12.07.1896) ‘Litran’ (20.11.1896), ‘Libindo Ferrás’(13.02.1897, ‘Bellas Artes – Pedro Weingärtner’(Domingo 03.07.1898) e ‘Pedro Weingärtner’ (11.12.1898)[2]. Olinto convidou, em 1908, a Libindo para integrar o Instituto e depois lhe confiou a criação e a direção de Escola de Artes a partir de 1910. Este agendou frequentes visitas e bancas para Weingärtner e dos qual adquiriu várias obras.
Para conhecer a pessoa, a obra e as ideias de Olinto de Oliveira,  recomenda-se a visita ao texto
SIMON, Cirio - Origens do Instituto de Artes da UFRGS: etapas entre 1908-1962 e contribuições nas constituição de expressões de autonomia dos sistema de artes visuais no Rio Grande do Sul Porto Alegre: Orientação KERN, Maria Lúcia Bastos .PUC - RS, 2003—570 p..- TESE: versão 2012
Disponível digitalmente no REPOSITÓRIO  UFRGS em: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/2632/000323582.pdf?sequence=1
DOMÍNIO PÚBLICO BRASILEIRO
---texto no qual Olinto é figura referencial tanto nos seus êxitos como nos limites que a Ciência, a Arte e a Sociedade do Rio Grande do Sul lhe impuseram.
Na área da Saúde a obra de Olinto de Oliveira e continuada no CENTRO de ESTUDOS OLINTO de OLIVEIRA da FIOCRUZ do Rio de Janeiro



[2] - Para conhecer mais detalhes de Olinto de Oliveira com crítico de Arte ver Damasceno 1971 p.239
PELICHEK, Francis ou Frantisek ( 1896 - 1937) e Helios SEELINGER no Salão de Outono de 1925 na Prefeitura de Porto Alegre
Fig. 19 – O artista visual, professor e jornalista Francis ou Frantisek PELICHEK trouxe muito da sua formação adquerida a uma cultura em rápida transição de uma Europa de antes e após a I GUERA MUNDIAL. Não transigia dos principios básilares de uma civilização. No contraditório ele mergulhava na vida da boemia para sntonizar tanto com a elite intelectual dee Porto Alegre das décadas de 1920 e 1930 como de seus estudantes e público fiel de suas perídicas e planejadas exposições.
ROCHA, Manoel André (1860-1942)
Fig. 20 – O primeiro reitor da Universidade de Porto Alegre (UPA atual UFRGS) Manoel André ROCHA foi um decisivo apoio para a Artes Visuais do Rio Grande do Sul. A presidência da Comissão Organizador do Salão de Outono de junho de 1925 demonstra que não foi ocasional Ele pertencia a Comissão Centra mantenedora do Instituo de Belas Artes do Rio Grande do Sul. Nesta condição foi eleito o seu vice-presidente e, em 1936, presidente desta Comissão. Porém não pode assumir devido ao cargo de reitor da UPA. No momento em que o IBA-RS retornou à sua autonomia ele já havia renunciado ao cargo de reitor. Assim foi voz decisiva na orientação dos passos jurídicos do IBA-RS na autonomia em 1939. O IBA-RS permaneceu nesta condição  até 30.10.1962
SARAIVA, Glaucus da Fonseca (1921-1983)
Fig. 21 – – Glaucus da Fonseca SARAIVA é mais conhecido pelo seu Manual do Tradicionalismo e seus vínculos com a consolidação legal social e material dos CTG’s e o MATG. Porém a sua ação para estudo da lúdica infantil e as suas representações plásticas mereceram um detido estudo, registro e publicação de livro, Com esta pesquisa e publicação ele resgata o fazer manual e sensibilidade plástico dda criatura humana mergulhado no ambiente social, telúrico e econômico do Rio Grande do Sul

SARAIVA Glaucus (1921-1983) Manual do tradicionalista: orientação geral para tradicionlistas e centros de tradições gaúchas. Porto Alegre : Sulina, 1968, Coleção Meridional nº 09
---------- Mostra de Folclore Infanto-juvenil: catálogo em prosa e verso Glaucus Saraiva – Porto Alegre:  Instituto Gaúcho de tradição e Folclore 1980 111 p. Il. Col
O médico Mario Totta, o artista Francis Pelichek e o pintor e músico Sotero Cosme reunidos com SEELINGER, Helios (1878-1965) na preparação do baile de Carnaval de 1925. Desta junção brotou a ideia e a equipe doa Salão de Outono de Porto Alegre de 1925
Fig. 22 – – O artista visual carioca Helios  SEELINGER manteve vivos e constantes contatos o meio artístico do Rio Grande do Sul. Da mesma forma que agiu para a constituição do Museu Nacional de Belas Artes com a sua constante e oportuno estímulo. No sul dO Pais criou uma espécie do mote da Revolução de 1930 através da tela “O RIO GRANDE de PÉ pelo BRASIL”[1] que pintou em 1925 para o palácio do Governo e que hoje é a peça chave do Museu da cidade de Piratini



[1] Pintura de Hélios “RIO GANDE de PÈ PELO BRASIL em OLHARES da GERMANIDADE no BRASIL

SOARES, Alice ( Uruguaiana, 1917 – 2005)
Fig. 23 – Alice Ardohain SOARES foi líder estudantil, líder de grupos e ateliers, professora catedrática e com ativa produção plástica absorvida regularmente pelo incipiente mercado de Arte do Rio Grande do Sul. Par tanto mantinha atelier com Alice Esther BRUEGGMANN (1917-2001)  

A prima de Dorival Caymmi liderou grupos de amigos da Arte, estudantes e mantinha o atelier aberto às visitas dos compradores de suas obras, aos estudantes e amigos. Vinculada à diversas associações de artistas visuais, percorreu o Brasil, as capitais do Rio da Prata e da Europa para atualizar a inteligência e estimular as suas próprias pesquisas estéticas e de quem se aproximava dela. Para conhecer o seu pensamento é possível ler a sua tese de cátedra
 SOARES Alice Ardohain  LINHA - FUNDAMENTO DO DESENHO LINHA - FUNDAMENTO DO DESENHO Linha: Definição Simbolismo Expressão artística Tese de concurso para o provimento efetivo da cadeira de Desenho, dos Cursos de Pintura e Escultura do Instituto de Artes do Rio Grande do Sul Porto Alegre, 1961, 50 p.
WEINGÄRTNER, Pedro  (1853-1929)
Fig. 24 – Pedro Weingärtner teve de preparar o terreno para recepção de sua obra na terra natal. Para tanto mobilizou familiares, colegas e intelectuais e políticos. Com apoio de uma elite intelectual, econômica e social criou espaço para associar a sua erudição com obras físicas de alta qualidade técnica e estética que periodicamente trazia para o meio cultural sul-rio-grandense. Era uma temeridade econômica. De outra parte não teve discípulos diretos e estudantes particulares. Porém a interação de Weingärtner com a Escola de Artes do IBA-RS era constante[1] a tal ponto que constrangia o seu diretor não poder retribuir economicamente. Pedro apesar de sua origem, sua formação europeia e sua família radicada no Rio Grande do Sul foi um ativo mediador no  trabalho de vincular e evidenciar um pacto estético, social e econômico com o Brasil como um todo.
 PEDRO WEINGÄRTNER e a ESCOLA de ARTES. e o sentido da formação institucional de um artista

GUIDO Ângelo (GNOCCHI) (1893-1969 Pedro Weingärtner. Porto Alegre : Divisão de Cultura- SEC/RS –1956, 228 p.

TARASANTCHI, Ruth Sprung – et alii PEDRO WEINGÄRTNER 1853-1929 um artista ente o Velho e o Novo Mundo. São Paulo : Pinacoteca do Estado de São Paulo 209-2010 -  264 p.  ISBN 978-85-999117-15-6


COMPETÊNCIAS e LIMITES da MEDIAÇÃO das ARTES VISUAIS no RIO GRANDE do SUL

Pode-se projetar, “mutatis mutandis”, para o nosso tempo e para a mediação das Artes Visuais, o trânsito entre o mundo empírico e o mundo das ideias, que mereceu de Platão a seguinte encadeamento
Há três espécies de camas: uma que existe na natureza das coisas e da qual podemos afirmar, penso, que Deus é o autor, de contrário quem seria?...
-Ninguém mais a meus ver.
- A segunda é do marceneiro.
-Sim
- E a terceira, a do pintor, não é/
- Seja
Assim, pintor, marceneiro, Deus, são três que presidem a fatura das três espécies de camas”.  (1985, 2º vol, p. 221)[2]:

A criatura humana atribui-se o papel da criação e do Criador após o Renascimento ocidental. O artista foi promovido à gênio e mitificado na qualidade divina de “autor”
O marceneiro de Platão pode ser entendido e percebido como o mediador entre o mundo imaterial das ideais e o mudo empírico da obra de arte física.
O pintor era a criatura da “mimese” para a época de Platão é que se apropria e transfigura para o seu próprio repertório e as condicionantes das necessidades materiais e imateriais do seu TEMPO e seu LUGAR e da sua SOCIEDADE. O receptor não é matéria amorfa e ele delibera e decido onde a Arte faz sentido para a sua vida e valores do seu TEMPO e seu LUGAR e da sua SOCIEDADE..
O receptor das Artes Visuais, na sua capacidade de deliberar e decidir possui uma preciosa e diferenciada ferramenta na  Imagem que se coloca no lugar de algo que já não existe mais
Os seres humanos sentem prazer em olhar para as imagens que reproduzem objetos. A contemplação delas os instrui, e os induz a discorrer sobre cada uma, ou a discernir nas imagens as pessoas deste ou daquele sujeito conhecido 
Aristóteles – Da arte poética. Cap. IV – Origem da poesia: seus diferentes genros - art 5[3]

Mesmo as mensagens transcendentes e místicas necessitam desta interação conceitual e material. As Ciências mais avançadas necessitam este afunilamento numa imagem e sua materialização plástica para o salto da inteligência humana em direção as leis abstratas  Os bons e inteligentes mediadores sempre reforçaram estes vínculos entre a mensagem conceitual da obra de arte e os materiais empíricos aos sentidos dos seus observadores.  Os bons e inteligentes mediadores estão no caminho de Difteroide e de tantos outros.

A presente postagem levanta uma lista de nomes e os vincula à sua ação mediadora do marceneiro de Platão a dar forma e conteúdo. Nesta lista existe ainda um imenso território aberto Rio Grande do Sul para a constituição, investigação da documentação especifica para comprovar a razão da inclusão ou exclusão. O que não pode ser perdido é o vinculo com o pensamento e as motivações pelas quais estas personagens deram o melhor de si mesmos. Cada um constitui um motivo para estudo, sistematização e socialização de um rico acervo próprio e distinto dos demais. Quem realiza isto retribui um pouco do que realizaram.

O que o autor desta postagem possui certeza e que existem mediadores de Artes Visuais, que deixaram contribuições silenciosas, tão, ou mais, importantes do que estes estão elencados na presente lista. O que não é possível omitir - após uma cuidados conferência e estudos de nomes e sua ação mediadora no âmbito da cultura sul-rio-grandense - são os índices claros dos limites das possibilidades na mediação das Artes Visuais do Rio Grande do Sul. Se de um lado é frustrante a avaliação da pouca repercussão e especialmente a permanência deste extenso e pesado trabalho de outro é necessário estar atento a um dos mestres que atuou e produziu no âmbito desta mesma cultura sul-rio-grandense.
Aldo Locatelli[4] distinguiu um feito científico se pode aperfeiçoar ampliar pela continuidade de diversos sábios; uma descoberta abre possibilidades para outras; em Arte não”. Esta distinção exige do mediador, não só uma disposição de renovação, mas a capacidade de perceber o inédito em cada artistas e em cada uma das suas obras. Por sua vez a própria CIÊNCIA conhece imperiosas rupturas e reinícios quando a CIÊNCIA de HOJE se OPÕE a CIÊNCIA de ONTEM[5]. Tanto a CIÊNCIA como a ARTE necessita desta fecunda, renovada e criativa  conexão entre o ENTE e o seu SER. Conexões que cabem aos mediadores tanto entre estas energias humanas como com quem está do lado de fora destes campos de forças.
Na conclusão se impõe a necessidade de que as ARTES VISUAIS do Rio Grande do Sul guardem estes nomes, preservem o seu legado e exemplo. Porém acima de tudo é necessária a motivação superior e a garantia de  um PROJETO CIVILIZATÓRIO por tempo indeterminado por meio do trabalho inerente à mediação nas Artes Visuais.

FONTES BIBLIOGRÁFICAS ESPECÍFICAS do TEMA

CORONA, Fernando (1895-1979).  Caminhada nas Artes (1940-1979). Porto Alegre : UFRGS/ IEL/ DAC/ SEC 1977, 241

OBINO, Aldo. Notas de arte. Org, Cida Golin.  Porto Alegre : MARGS/Caxias do Sul : Nova Prova EDUCS,   2002, 152 p.

SILVA, Úrsula Rosa da - A fundamentação estética da crítica de arte em Ângelo Guido: a critica de arte sob o enfoque de uma história das idéias. Porto Alegre : PUCRS: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Tese 2002



FONTES BIBLIOGRÁFICAS das ARTES VISUAIS no
 TERRITÓRIO do RIO GRANDE do SUL

CORONA, Fernando (1895-1979).«Cem anos de forma plásticas e seus autores» in Enciclopédia Sul-Rio-
        Grandense. Canoas : La Salle.2º vol. Pp.141-161, 1968.

___________. Caminhada nas Artes (1940-1979). Porto Alegre : UFRGS/ IEL/ DAC/ SEC 1977, 241

DAMASCENO. Athos (1902-1975) Artes plásticas no Rio Grande do Sul (1755-1900). Porto Alegre : Globo, 1971, 520 p
----------------------Jornais críticos e humorísticos de Porto Alegre no século XIX -  1944
--------------------Fotógrafos em Porto Alegre no século XIX  1947
-------------------- Sociedades literárias de Porto Alegre no século XIX: fundamentos da Cultura Sul-Rio-Grandense  1952
---------------------Imprensa caricata do Rio Grande do Sul no século XIX  1962
DOBERSTEIN, Arnoldo Walter. Porto Alegre 1900-1920: estatuária e ideologia.
        Porto Alegre : Secretaria Municipal de Cultura, 1992, 102 p. il.

____________.  Porto Alegre(1898-1920): estatuária fachadista e
        monumental, ideologia e sociedade. Porto Alegre : PUC-IFCH, 1988, Dissert 208 f..

_____________. Rio Grande do Sul (1920-1940): estatuária, catolicismo e gauchismo. Porto Alegre : PUC-Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, 1999, Tese 377 f. 

-------------Emilio Sessa, Pintor, Primeiros tempos. Porto Alegre; Gastal&Gastal, 2012 160 p. ISBN 978-85-64916-01-2

FAYET, Carlos Maximiliano. O ensino de arquitetura nas escolas de artes. Porto Alegre : Meridional :
       EMMA, 1965, 35 p.

FRANCESCO, José de. Reminiscências de um artista. Porto Alegre; s/editora. 1961.

FRANCO, Sérgio da Costa. Porto Alegre.: guia histórico. Porto  Alegre : UFRGS,  1983, 441 p.

GARCIA, Maria Amélia Bulhões. «Arquitetura espontânea: uma proposta de estudo» in Estudos    
        Tecnológicos. São Leopoldo : Unisinos. Vol. VI nº 20, pp. 11-17, 1982.
GOMES, Paulo, «Anestor Tavares o poeta do trabalho e dos lazeres» In Caixa Resgatando a Memória.: 
        Porto Alegre : Caixa Econômica Federal, 1998a pp.11/27.

__________. «Sobre Antonio Caringi» in Caixa Resgatando a Memória.  Porto Alegre : Caixa
         Econômica Federal, 1998b,  pp.79/ 95

GUIDO Ângelo (GNOCCHI) (1893-1969). «Pedro Weingärtner, pintor romântico» in Revista do Globo: Porto  
       Alegre, ano 2,  no  1 (025o fascículo) jun. 1931 s/p.

_________. Forma e Expressão na História da Arte. Porto Alegre : Imprensa
        Oficial  1939 59p.

_________. Pedro Weingärtner. Porto Alegre : Divisão de Cultura- SEC/RS –1956, 228 p.

_________.« Um século de pintura no Rio Grande do Sul» in, Enciclopédia Sul-Rio-Grandense.
       Canoas : La Salle, 2º vol, pp.115-141.

_________. Araújo Porto Alegre: o pintor e a personalidade artística. Porto Alegre: Secretaria de Educação e Cultura do Rio Grande do Sul/Divisão de Cultura1957 p.29-59.

KERN, Maria Lúcia Bastos. «Les origines de peinture ‘moderne’ au Rio Grande do Sul – Brésil» Paris :
       Université de Paris I Panthéon Sorbone, 1981 tese 435 fl.

KRAWCZYK , Flavio O espetáculo da legitimidade: os salões de artes plásticas em Porto Alegre 1875-1995 Porto Alegre: programa de Pós Graduação em Artes Visuais do Instituto de Artes da UFRGS Dissertação orientação Avamcini, José Augusto Costa, 1997, 416 – Bibliografia fls 387-416
-------------------Arte incidental: s mostras de artes plásticas em Porto Alegre entre 1875-1903 Porto Alegre : Revista PORTO-ARTE programa de Pós Graduação em Artes Visuais do Instituto de Artes da UFRGS vol. 8, nº 14 (maio 1997) pp. 55-59

LANGER , Protásio Paulo. A Aldeia Nossa Senhora dos Anjos: a resistência do guarani
       missioneiro no  processo de dominação do  sistema luso. Porto Alegre : EST, 1997, 128 p.

LAYTANO Dante de (1908-2000). - Festa de Nossa Senhora dos Navegantes Estudo de uma tradição das populações  Afro-Brasileiras de Porto Alegre. Porto Alegre: UNESCO- Instituto Brasileiro Ciência e Cultura- Comissão Estadual de Folclore do Rio Grande do Sul - 6º Vol.  1955, 128 p. il

MACEDO., Francisco Riopardense de. (   ) A Arquitetura no Rio Grande do Sul . in  RIOGRANDE do SUL: Terra e Povo. Porto Alegre : Globo 1964

---------------Porto Alegre: história e vida da cidade. Porto Alegre : UFRGS, 241p.

________. Porto Alegre: aspectos culturais. Porto Alegre : SMED/Div. De  Cultura, 1982, 122 p.

MACHADO, Antônio Carlos «Breve História do Partenon Literário » in Revista do Museu  Júlio de 
        Castilhos e Arquivo Histórico do Estado do Rio Grande do Sul. Porto Alegre : Secretaria de Educação e Cultura, 1956,  pp. 111/125.

MALAGOLI, Ado (1908-1994) - TÉCNICA E EXPRESSÃO - considerações- Tese de concurso para o  provimento da cadeira de Pintura do Instituto de Belas Artes do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: edição da autor, 1957 88 p, ilustr. pb.


NEVES ALVES, Francisco. O discurso político-partidário sul-rio-grandense sob o  prisma da imprensa rio-grandina (1868 1895) Porto Alegre PUCRS, 1998  Tese.  750 f.


OLIVEIRA,. Ione de. Pintura regional, suporte de uma pintura brasileira. São  Paulo : USP/ECA, 1987,
       221 p.

ORNELLAS, Manoelito Máscaras e Murais da Minha Terra. Porto Alegre : Globo, 1966

PIETA., Marilene. « A pintura no Rio Grande do Sul (1959-1970) » Porto Alegre  : PUCRS Dissertação,
      1988  447 fl.

__________. A modernidade da pintura no Rio Grande do Sul. Porto  Alegre : Sagra-Luzzato. 1995,
       273 p  Il. Color

__________« O Grupo de Bagé e a modernidade das artes visuais no Rio Grande do Sul» in
       Caixa Resgatando a Memória. Porto Alegre : Caixa Econômica Federal, 1998a ,  pp.29/57

__________ «A Arte de Trindade Leal» in Caixa Resgatando a Memória. Caixa Econômica
      Federal, 1998b , pp.61/77.

__________ « Oscar Boeira- Um pintor com luz própria» in Caixa  Resgatando a Memória. Porto
      Alegre : Caixa Econômica Federal, 1998c pp.119/139

PONTUAL., Roberto. Dicionário das Artes Plásticas no Brasil. Rio de Janeiro : Civilização Brasileira, 1969,
       559 p.


ROSA, Renato et   PRESSER, Décio .Dicionário das Artes Plásticas no Rio Grande do Sul. Porto Alegre :
        UFRGS, 1997, 360 p.

ROSA, Renato et  alii .MAGLIANI A solidão do corpo Porto Alegre : Pinacoteca Aldo Locatelli-Prefeitura de Porto Alegre   2013 , s/p. il col.

SARAIVA Glaucus (1921-1983) Manual do tradicionalista: orientação geral para tradicionlistas e centros de tradições gaúchas. Porto Alegre : Sulina, 1968, Coleção Meridional nº 09
---------- Mostra de Folclore Infanto-juvenil: catálogo em prosa e verso Glaucus Saraiva – Porto Alegre:  Instituto Gaúcho de tradição e Folclore 1980 111 p. Il. Col
SCARINCI, Carlos. A gravura contemporânea no Rio Grande do Sul (1900-1980). Porto Alegre : MARGS,
        1980 27 fl.

_________ A gravura no Rio Grande do Sul (1900-1982). Porto Alegre  : Mercado Aberto, 1982,
        224 p. il. Color.
SILVA, Ursula Rosa da, et  SILVA LORETO, Mari Lúcie. História da arte em Pelotas: a pintura de 1870 a
      1980. Pelotas : EDUCAT, 1996 180 p.

SILVA, Úrsula Rosa da - A fundamentação estética da crítica de arte em Ângelo Guido: a critica de arte sob o enfoque de uma história das idéias. Porto Alegre : PUCRS: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Tese 2002

SIMON, Círio.« A escola de Artes e a profissionalização de seu aluno» in Porto Arte. Vol. 1 nº 2. Pp. 7-15
       nov. 1990.

__________« O ensino das artes visuais no Brasil : iluminismo e academia. In Caminhos para a Liberdade
       : A Revolução Francesa e a Inconfidência Mineira (as Letras e as Artes). Porto Alegre : UFRGS/PUCRS pp. 98-110 1991

_________  Libindo Ferrás. Porto Alegre : Caixa Econômica Federal. 1998

_________  ORIGENS   DO   INSTITUTO   DE  ARTES  DA  UFRGS: etapas entre   1908-1962  e 
          contribuições na constituição de expressões de autonomia no sistema de artes visuais do Rio Grande do Sul. Porto Alegre : PUCRS: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Tese 2002. 561 f.

SOARES Alice Ardohain (1917-2005) LINHA - FUNDAMENTO DO DESENHO LINHA - FUNDAMENTO DO DESENHO Linha: Definição Simbolismo Expressão artística Tese de concurso para o provimento efetivo da cadeira de Desenho, dos Cursos de Pintura e Escultura do Instituto de Artes do Rio Grande do Sul Porto Alegre, 196150 p.


SPINELLI, Teniza Esculturas missioneiras em museus do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Evangraf, 2008 105 p.

TELLES, Leandro Silva. Manual do patrimônio histórico. Porto Alegre :  EST/UCS. 1977 123 p.


TARASANTCHI, Ruth Sprung – et alii PEDRO WEINGÄRTNER 1853-1929 um artista ente o Velho e o Novo Mundo. São Paulo : Pinacoteca do Estado de São Paulo 209-2010 -  264 p.  ISBN 978-85-999117-15-6

TREVISAN, Armindo. A escultura dos Sete Povos. Porto Alegre : Movimento, 1978, 112 p.

__________. Escultores contemporâneos do Rio Grande do Sul. Porto Alegre : UFRGS, 1983 , 
        160 p. il color.

__________ «O Instituto de Artes da UFRGS». Veritas.: Porto Alegre, PUCRS Vol. 39, nº 156, pp.
        687-696 dez. 1994.


WEBSTER, Maria Helena et alii. Do passado ao presente.: as artes plásticas no Rio Grande do Sul . Porto
        Alegre : Cambona s/d. 83 p.

ZAMBELLI, Irma Buffon. A Arte nos primórdios de Caxias do Sul. Porto Alegre  : EST/EDUCS, 1986, 146 p

_________. A retrospectiva da arte ao longo de um século. Caxias do Sul : EDUCS, 1987,  220 p. il.

_________. Os filhos da arte.: documentário de uma família de imigrantes. Caxias do Sul : Ed.
          Da Autora, 1990, 280 p.


FONTES BIBLIGRÁFICAS GERAIS

ARISTÓTELES (384-322). Ética a Nicômano. São Paulo: Abril Cultural1973. 329p.
 ____. Tópicos.   2.ed.  São Paulo:  Abril Cultural. 1983,  pp.5-156.
Aristóteles – Da arte poética. Cap. IV – Origem da poesia: seus diferentes genros
AYALA Walmir A criação Plástica em Questão Rio de Janeiro : VOZES, 1970 283 p
MEROT, Alain (edit.) Les conférences de l’Academie royale de peinture et esculpture  au XVIIe siècle. Paris : RNSBA, 1996. 533p

PLATÃO ( 427-347) – A REPÚBLICA – Tradução di J. Guinsburg  2º volume . São Paulo : Difusão Europeia do Livro, 1985, 281 p.     http://pt.scribd.com/doc/28055175/Platao-A-Republica-Vol-II-Do-V-ao-X-livro

FONTES NUMÉRICAS DIGITAIS
DEJÀ VUE


INSTITUIÇÔES SUPERIORES de ARTES VISUAIS no RIO GRANDE do SUL em 2004

SAUDADE do CAMPO e da PAISAGEM



[1]  Pintura que a Pinacoteca do IBA- RS adquiriu de Pedro Weingärtner O CENTENÁRIO de uma PINTURA - 2011 http://profciriosimon.blogspot.com.br/2011/12/isto-e-arte-016.html

[5] A CIENCIA de HOHE se OPÕE à de ONTEM   http://www.poder-originario.com/news/a-ciencia-de-ontem/
FACE BOOK
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10200870387879419&set=a.10200870387239403.1073742466.1756223351&type=1&theater

SÉRIE de  POSTAGENS ARTE no RIO GRANDE do SUL

[esta série desenvolve o tema “ARTE no RIO GRANDE do SUL” disponível em http://www.ciriosimon.pro.br/his/his.html  ] 

123 – ARTE no RIO GRANDE do SUL - 01

GUARDIÕES das  SEMENTES das ARTES VISUAIS do RIO GRANDE do SUL



124 – ARTE no RIO GRANDE do SUL - 02

DIACRONIA e SINCRONIA das ARTES VISUAIS do RIO GRANDE do SUL nos seus ESTÁGIOS PRODUTIVOS.



125 – ARTE no RIO GRANDE do SUL - 03

Artes visuais indígenas sul-rio-grandenses




126 – ARTE no RIO GRANDE do SUL - 04

O projeto civilizatório jesuítico e a Contrarreforma no Rio Grande do Sul




127 – ARTE no RIO GRANDE do SUL – 05

Artes visuais afro--sul-rio-grandenses




128 – ARTE no RIO GRANDE do SUL – 06

O projeto iluminista contrapõe-se ao projeto da Contrarreforma no Rio Grande do Sul.




129 – ARTE no RIO GRANDE do SUL – 07

A província sul-rio-grandense  diante do projeto imperial brasileiro




130 – ARTE no RIO GRANDE do SUL - 08

A arte no Rio Grande do Sul diante de projeto republicano




131 – ARTE no RIO GRANDE do SUL - 09

Dos primórdios do ILBA-RS e  a sua Escola de Artes até a Revolução de  1930




132 – ARTE no RIO GRANDE do SUL - 10

A ARTE no RIO GRANDE do SUL  entre 1930 e 1945


133 – ARTE no RIO GRANDE do SUL - 11

O  projeto da democratização da arte após 1945.




134  – ARTE no RIO GRANDE do SUL - 12

A ARTE e a ARQUITETURA em AUTONOMIA no RIO GRANDE do SUL


135  – ARTE no RIO GRANDE do SUL - 13

A ARTE no RIO GRANDE do SUL entre 1970 e 2000




136  – ARTE no RIO GRANDE do SUL – 14

A ARTE no RIO GRANDE do SUL entre 1985 e 2015




121 - ESTUDOS de ARTE 018.

DUCHAMP a GUISA de CONCLUSÃO: “O ENTE no SER ARTISTA”.






Este material possui uso restrito ao apoio do processo continuado de ensino-aprendizagem
Não há pretensão de lucro ou de apoio financeiro nem ao autor e nem aos seus eventuais usuários
Este material é editado e divulgado em língua nacional brasileira e respeita a formação histórica deste idioma.

Referências para Círio SIMON








Nenhum comentário:

Postar um comentário